JNMT - A credibilidade da notícia
NOTÍCIA

Passagem aérea e alimentos mais caros aceleram inflação ao consumidor no IGP-10 de novembro

Data: Sexta-feira, 17/11/2023 10:00
Fonte: Site Gazeta Digital

Os aumentos de preços das passagens aéreas e dos alimentos pressionaram a inflação ao consumidor medida pelo índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) de novembro, informou nesta sexta-feira, 17, a Fundação Getulio Vargas (FGV).

O índice de Preços ao Consumidor (IPC-10) acelerou de uma elevação de 0,25% em outubro para uma alta de 0,39% em novembro.

Cinco das oito classes de despesa registraram taxas mais elevadas: Alimentação (de -0,61% para 0,40%), Educação, Leitura e Recreação (de 2,10% para 2,93%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,02% para 0,44%), Vestuário (de 0,04% para 0,22%) e Despesas Diversas (de 0,00% para 0,13%).

As principais contribuições partiram dos itens: hortaliças e legumes (de -3,23% para 4,51%), passagem aérea (de 13,96% para 17,37%), artigos de higiene e cuidado pessoal (de -0,77% para 0,77%), tecidos e armarinho (de -0,08% para 0,36%) e alimentos para animais domésticos (de -0,12% para 1,41%).

Na direção oposta, as taxas foram mais baixas nos grupos Transportes (de 0,44% para -0,21%), Habitação (de 0,39% para -0,06%) e Comunicação (0,09% para -0,06%). Houve influência dos itens: gasolina (de 0,89% para -1,48%), aluguel residencial (de 1,23% para -0,96%) e tarifa de telefone residencial (de 0,00% para -0,44%).

Construção

A alta mais branda no custo dos materiais de construção desacelerou a inflação do setor dentro do IGP-10 de novembro, segundo a FGV. O índice Nacional de Custo da Construção (INCC-10) passou de uma elevação de 0,36% em outubro para uma alta de 0,18% em novembro.

O índice que representa o custo de Materiais, Equipamentos e Serviços saiu de um aumento de 0,31% em outubro para alta de 0,02% em novembro. Os gastos com Materiais e Equipamentos tiveram estabilidade (0,00%) em novembro, enquanto os custos dos Serviços tiveram elevação de 0,23% no mês.

Já o índice que representa o custo da Mão de Obra passou de um aumento de 0,43% em outubro para uma alta de 0,42% em novembro.