Portal JNMT
Portal JNMT
NOTICIAS

#Policiais prendem pela 2ª vez ex-gerente de cooperativa em Campo Novo do Parecis

Data: Quarta-feira, 13/06/2018 09:03
Fonte:
Foto: Reprodução

O ex-gerente financeiro de uma cooperativa de açúcar e etanol – investigado por ser o líder de um desvio de R$ 23 milhões na empresa, Nivaldo Francisco Rodrigues foi preso pela Polícia Civil na manhã desta terça (12), em Campo Novo do Parecis (a 397 km de Cuiabá).

O inquérito que tramita na delegacia municipal apura crimes de furto qualificado pelo abuso de confiança e mediante fraude, associação criminosa e lavagem de dinheiro. Os atos eram cometidos por uma associação criminosa que se formou dentro da empresa por empregados e comparsas alheios aos quadros da cooperativa, entre 2011 e junho de 2017.

Um mês depois do desligamento do suposto chefe do esquema criminoso, em 08 de maio de 2017, ainda houve uma tentativa de desvio da cooperativa. O suspeito ligou para a empresa solicitando que fosse feito um pagamento de R$ 467 mil em favor de uma pessoa.

Segundo o delegado Adil Pinheiro de Paula, Nivaldo foi conduzido à delegacia, mas na audiência de Custódia a Justiça optou pelo monitoramento com tornozeleira eletrônica. Delegado destaca que com esta nova etapa o somatório do valor desviado tende a crescer.

"A Polícia Civil já tem a confirmação de vários ex-funcionários que ocupavam cargos na direção, como também de empresários de Mato Grosso e de outros estados. De empresas que atuavam em Goiás, São Paulo e Minas Gerais, a maioria seria de fachada. Com isso temos a identificação de várias pessoas e novas fases serão deflagradas”, adiantou.

Nivaldo já foi denunciado pelo Ministério Público por 44 crimes de furto qualificado. Ele foi levado para a delegacia da Polícia Civil e deve ser encaminhado para audiência de custódia no fórum durante a tarde. Depois, deve ser transferido para a cadeia da cidade.

PJC

delegado  Adil Pinheiro de Paula

Delegado Adil Pinheiro de Paula investiga o caso de desvio em empresa

Buscas

Durante buscas realizadas com autorização da Justiça, no dia 12 de julho do ano passado, a Polícia Civil apreendeu farta documentação que prova o enriquecimento ilícito do investigado, Nivaldo Francisco, nos últimos anos.

"Encontramos provas da movimentação de milhões de reais em curto espaço de tempo. Aquisição de muitos imóveis, rurais e urbanos, além de automóveis, contratos de aluguel, anotações sobre a construção e imóveis com gastos na casa de centenas de milhares de reais", disse o delegado.

Conforme o delegado, a documentação será periciada para determinar a relação dos bens de Nivaldo e familiares que não constam na declaração e imposto de renda.

Bárbara Sá

PUBLICIDADE