Portal JNMT
Portal JNMT
NOTICIAS

Maníaco acusado de abusar de 20 mulheres ganha liberdade em Cuiabá

Data: Quinta-feira, 08/03/2018 00:01
Fonte:

 

Reprodução

Se apresentando como advogado, massagista e até cantor, estuprador atraía vítimas com propostas de emprego.

Após 7 meses preso sob acusação de estupro, Maurício Campos Teixeira, 54, suspeito de abusar de pelo menos 20 mulheres, foi solto pela Justiça e recebeu o alvará nesta quarta-feira (7). O maníaco sexual estava detido no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC).

Maurício foi preso em agosto de 2017, após a denúncia de uma estudante de fisioterapia de 22 anos, que foi atraída pelo criminoso com uma proposta de emprego. Nas redes sociais, ele se apresentava como advogado e massagista, além de cantor evangélico.

Na época, a vítima foi encaminhada através de uma agência de empregos para trabalhar em uma suposta clínica de estética, com o salário de R$ 1,8 mil. Na 1ª aula de massagem, o criminoso determinou que ela recebesse massagens feitas por ele. Ao ser tocada, ela percebeu as carícias e conseguiu fugir antes de ser estuprada.

Uma funcionária da Agência Chande, localizada no Centro da Capital, disse em depoimento à Polícia Civil que indicou 3 pessoas ao suposto contratador. Inicialmente, Maurício se cadastrou como advogado e pedia clientes mulheres para tirar nomes negativados. Em seguida, relatou que iria abrir uma clínica de estética e precisava de funcionárias para a empresa.

Em 2013, o impostor foi preso acusado de estuprar uma adolescente de 15 anos, que contratou para fazer faxina em sua casa, uma quitinete no bairro CPA 2. A própria mãe, sem suspeitar de nada, encaminhou a garota até a casa. Ela foi estuprada por mais de 1 hora.

Maurício fugiu, mas foi preso depois, em investigações da Delegacia Especializada de Defesa da Criança e do Adolescente (Deddica). Colocado em liberdade, continuou a cometer o mesmo tipo de crime.

De acordo com a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), ele estava preso no Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC) até o dia 5 de janeiro, quando conseguiu comprovar o nível superior e foi transferido para o Centro de Custódia da Capital. De acordo com a Pasta, o alvará de soltura chegou à unidade na tarde desta quarta-feira para ser cumprido. 

O processo contra Maurício tramita sob segredo de Justiça. O Gazeta Digital procurou a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, mas não conseguiu ter acesso à decisão que colocou o acusado em liberdade. Assim, não foi possível saber quais foram os argumentos usados pela defesa e acatados por uma juíza de Cuiabá. 

Valquiria Castil, repórter do GD

PUBLICIDADE