Portal JNMT
Portal JNMT
NOTICIAS

Mulher foi morta pelo marido em MT enquanto amamentava o filho recém-nascido, diz polícia

Data: Sexta-feira, 19/01/2018 10:29
Fonte:

Assassinada pelo marido, a jovem Edilene Coelho dos Santos, de 30 anos, estava amamentando o filho recém-nascido quando foi morta, segundo a polícia. A vítima foi assassinada a facadas na quarta-feira (17) em Guarantã do Norte, a 721 km de Cuiabá. O principal suspeito, Ademilson Nunes, ainda não foi preso.

De acordo com a Polícia Civil, Edilene estava com o filho - que nasceu há 22 dias – quando foi atacada pelas costas. O outro filho da vítima, que tem 9 anos de idade, presenciou o crime.

As duas crianças foram recolhidas e estão sob os cuidados do Conselho Tutelar.

O corpo da vítima foi velado na Capela Mortuária e sepultado no cemitério municipal de Guarantã do Norte nesta quinta-feira (18).

 
Mulher foi assassinada em uma casa na Rua Boa Vista, no Bairro Jardim Vitória, em Guarantã do Norte (Foto: Divulgação)Mulher foi assassinada em uma casa na Rua Boa Vista, no Bairro Jardim Vitória, em Guarantã do Norte (Foto: Divulgação)

Mulher foi assassinada em uma casa na Rua Boa Vista, no Bairro Jardim Vitória, em Guarantã do Norte (Foto: Divulgação)

 

Assassinato

 

A Polícia Civil disse que foi chamada pela Polícia Militar, a respeito de um assassinato na Rua Boa Vista, no Bairro Jardim Vitória. Edilene foi encontrada caída no chão com um golpe de faca nas costas. A arma usada no crime foi deixada ao lado do corpo dela.

A família de Edilene disse à Polícia Civil, conforme consta no boletim de ocorrência, que Ademilson estava em liberdade condicional pelo crime de violência doméstica, já que havia agredido a vítima e o filho dela, de outro casamento.

 

A mãe de Edilene disse que o genro já havia sido preso por violência doméstica. Ela também contou que antes do bebê nascer, o casal discutia com muita frequência.

O casal chegou a morar em um sítio, onde Ademilson agredia a vítima com frequência. O marido seria muito ciumento e quebrou vários celulares da mulher durante as brigas.

Por G1 MT

PUBLICIDADE